Amarone della Valpolicella, o melhor 'erro' já feito.

06/08/2020

Fonte: Turismo IT

Veneto Valpolicella vinho tinto típico

Amarone della Valpolicella, o melhor 'erro' já feito.

O famoso vinho veneziano nasceu no século passado por uma chance fortuita

É um daqueles vinhos diante dos quais um arco deve ser feito. Como sinal de profundo respeito, de gratidão diante da possibilidade de prová-lo: se houvesse um Olimpo de enologia, o Amarone della Valpolicella DOCG residiria sem dúvida lá, inchado e consciente de seu valor e prestígio excepcionais. No entanto, os menos especialistas em enologia não estão cientes de várias peculiaridades deste famoso vinho veneziano, que tem uma história "especial" para contar, porque vem de uma chance fortuita. Vamos descobrir.Antes de tudo, Amarone não é produzido a partir de uma única variedade de uva, mas é uma mistura de uvas tinto da Valpolicella. A especificação afirma que é composto de Corvina entre 45% e 95%, Corvinone no máximo 50% e Rondinella entre 5% e 30%, além de outras variedades de uvas vermelhas autorizadas para a província de Verona, até um máximo de 25%. Sua peculiaridade, ignorada pela maioria, é que é um vinho passito: as uvas são desidratadas por cerca de três ou quatro meses, posicionadas em prateleiras típicas de bambu 'arele' ou platôs de madeira, antes de serem prensadas. Claro que é um passito seco, não doce, ou melhor, "amargo".

Uvas em processo de desidratação


Não é "amargo", é AmaroneCuriosamente, sua origem está ligada a um erro relacionado precisamente à vinificação de um passito veneziano, o Recioto della Valpolicella. De fato, na Cantina Sociale della Valpolicella, alguém esqueceu alguns barris de Recioto. Estamos em 1936, e o gerente da adega, Adelino Lucchese, experimenta aquele líquido derramado de barris esquecidos, esperando provar um vinho 'amargo'. Mas seu belo paladar imediatamente reconheceu o prodígio e, diz-se, exclamou: "Isso não é amargo, é um Amarone", significando que esse erro estava longe de ser um infortúnio, muito pelo contrário. Fomos confrontados com um 'novo' passito, que o gerente da adega decidiu rotular imediatamente como Amarone. O Recioto foi fermentado tanto que ficou seco, encorpado e estruturado. É claro que foram necessários alguns ajustes antes de encontrarmos a versão 'oficial' deste vinho, mas por volta da década de 1940, o passito 'amargo' começou a ser produzido,Para ser sincero, não foi a primeira vez que se falou de 'vinho amargo' em oposição a vinhos doces: Catullo já o mencionou e depois dele Cassiodoro. O fato de Reciotto às vezes amargo ter sido obtido em Valpolicella era bem conhecido (embora muitas vezes fosse uma questão de combinações fortuitas). Uma 'Amarone della Valpolicella' é mencionada em documentos relacionados a atos de compra e venda de vinhedos já no ano 1000 e depois nos anos 1500, mas é necessário esperar até as décadas de 1940 e 1950 para produzir os primeiros rótulos Amarone 'conscientemente'.

L'Amarone e seu territórioO sucesso do Amarone della Valpolicella DOCG é claro. Mas quais são as suas características? É um vinho tinto rubi ou granada intenso. A consistência é encorpada, pastosa, quente. O cheiro também é intenso e, embora a composição e o tipo de vinificação possam dar características organolépticas ligeiramente diferentes, em geral é um vinho que se abre com notas frutadas intensas (bagas, mirtilos), seguido de notas balsâmicas e picante (cacau, café, tabaco). De qualquer forma, é um vinho suave e harmonioso, cuja intensidade combina bem com pratos de carne vermelha - queijos cozidos, grelhados, assados, de caça e envelhecidos.

Paisagem de Valpolicella


Valpolicella é uma área montanhosa localizada na província de Verona, entre as montanhas Lessini e o lago Garda. É uma região geográfica usada para a viticultura desde os tempos muito antigos, favorecida por um clima perenemente doce e ameno. Os amantes de vinho nesta área encontrarão um destino muito especial: ir às adegas é fácil e extremamente gratificante, não apenas pelos grandes tintos produzidos aqui, mas também pelos panoramas idílicos que podem ser vistos entre uma colina e outra. Uma das vinícolas mais famosas, a de Negrar, tem um papel importante no 'nascimento' da moderna Amarone: falamos sobre isso no próximo artigo.Valpolicella também possui aldeias esplêndidas e edifícios históricos para visitar, como a encantadora Villa Rizzardi ou o Pojega Garden, um parque do século XVIII no coração de uma vinha.

Fonte: Turismo. IT